sexta-feira, 16 de julho de 2010

Um clássico revisitado - torta russa

O livro de Célia Ribeiro, Receitas de Yayá Ribeiro, é uma versão do livro de sua avó, editado no ano de 1934 pela Editora Globo. A obra é clássica, é bem provável que doces que você provou na sua infância estejam nesse livro. Há muitas receitas que ainda são populares - talvez voce descubra aqui alguns pratos que recentemente descobriu e que pensava serem atuais.
O livro inicia com um tópico de 'lembretes para bem receber' e tem um capítulo inteiro somente sobre pontos de calda. Os doces têm nomes antigos, como baba-de-moça, dôce de convento, tâmaras aviador Franco (quem seria?), brasileirinhas, amorezinhos, que fazem lembrar outros tempos e outros costumes.
Algumas das receitas do livro são de preparação bem demorada, impensável na correria de nossos tempos. Outras levam muita gordura, muitas gemas, percebe-se que naqueles tempos as pessoas não se preocupavam tanto com a taxa de colesterol e triglicerídeos.
A minha edição é uma relíquia, datada de 1966, achada nas andanças pela rua Riachuelo, no centro de Porto Alegre.




A 'torta russa' da página 140 desse livro presenciou muitas festas na minha casa, esteve em todos os aniversários das filhas, faz parte da memória gustativa da família. Andava esquecida até que, encarregada da sobremesa para uma festa da gloriosa turma de alunos, resolvi prepará-la novamente.
Segue a receita que consta no livro, respeitando a grafia original:



TORTA RUSSA
Ingredientes:
9 claras
18 colheres, de sopa, de açúcar
1/2 kg de gordura de côco
Bolachas Maria
9 gemas
1/2 kg de chocolate
1/2 kg de nozes ou amendoas picadas
Modo de fazer: Bata as claras em neve, junte as gemas uma a uma, sempre batendo; em seguida, acrescentar o açúcar, o chocolate, a gordura de côco derretida e fria e, por último, as nozes ou amências. Em uma caixa de papelão forrada com papel encerado, ponha uma camada do creme acima, sôbre esta, uma camada de bolachas Maria, outra de creme e assim sucessivamente, tendo o cuidado para que a última camada seja de creme. Leve ao refrigerador, onde se conservará durante muito tempo.

Fiz a torta tal e qual está na receita, apenas não não usei nozes nem amêndoas, acho dispensáveis. E não montei em caixa, e sim diretamente em uma travessa grande. Abaixo, as etapas da montagem: uma camada do creme, outra das bolachas:

Finalizando com o creme:

Preparei com antecedência de dois dias e guardei no congelador.
Na noite do jantar, retirei do congelador três horas antes e, para dar um toque final, cobri com uma ganache rápida, feita com uma caixinha de creme de leite e 100 gramas de chocolate amargo, aquecidos no microondas por dois minutos.
A torta foi degustada ao som de uma trilha sonora selecionada - Toquinho, Vinicius, Jorge Mautner. Um passarinho me contou que houve até alguns passos de tango...

10 comentários:

  1. minha (amiga da d. yaya) muito fez esta torta e eu faço sempre no meu niver, fiquei feliz de ver a receita original, pois havia perdido a minha e achei que este ano não iria conseguir me presentear com minha torta predileta, coloque se achar a receita da gelatina rei alberto é deliciosa, bjos helena faillace

    ResponderExcluir
  2. minha vó(amiga da d. yaya) muito fez esta torta e eu faço sempre no meu niver, fiquei feliz de ver a receita original, pois havia perdido a minha e achei que este ano não iria conseguir me presentear com minha torta predileta, coloque se achar a receita da gelatina rei alberto é deliciosa, bjos helena faillace

    ResponderExcluir
  3. Fiquei muito feliz de ler sua mensagem e fiquei super orgulhosa de poder ter ajudado a recuperar suas memórias. Minha vó também tem um lugar especia no meu coração. Mensagens como a sua fazem este blog valer a pena!
    Vou procurar a receita da Rei Alberto, adorei a sua dica! Um abraço, volte sempre por aqui!

    ResponderExcluir
  4. Fiz a receita com amendoim, como minha tia fazia quando eu era criança, ficou M A R A V I L H O S A, foi aprovado por todos e matamos a saudade de um doce que queríamos comer há muito tempo. Obrigada pela receita :)

    ResponderExcluir
  5. Pode substituir a gordura de coco , por outra gordura ? Se sim , qual ?

    ResponderExcluir
  6. Querido visitante, eu sempre faço com gordura de coco, que se encontra facil em Porto Alegre. Mas procurei versões da receita original alemã (Kalter Hund) e encontrei substituições. Então sugiro substituir a gordura de coco por 1 lata de creme de leite sem soro e 100 g de margarina ou manteiga. Depois conta se deu certo!

    ResponderExcluir
  7. essa receita continua bem viva nas festas da nossa família aqui no Sul :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, e como não, né? É deliciosa! Obrigada pela visita, volte sempre!

      Excluir
  8. E faco até hoje esta receita no Natal, como minha māe fazia, e na Caixa de sapato (q nao é facil hoje em dia!) e, como curiosidade, Yaya Ribeiro era Tia de minha māe. Como a Torta virou "praxe" Natalina, é enfeitada com balas de goma formando uma arvore Natal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagino que deve ficar linda decorada assim! Fiz nesta semana, para ilustres visitas, e foi, como sempre, um sucesso! Muto honrada pela tua visita e teu comentário!

      Excluir

arquivo

blogroll